domingo, 3 de abril de 2016

O Clube de Leitura de Jane Austen

Jane Austen é uma das minhas autoras favoritas. Dos livros que tenho, “Orgulho e Preconceito” é o eleito. Não sei dizer se o li antes ou depois de ver a série da BBC, mas ficou para sempre como o favorito, um livro que leio e releio, muitas vezes, abrindo-o ao acaso. 

Esta introdução é para falar do filme “O Clube de Leitura de Jane Austen”, que está a passar num dos canais de cabo, realizado por uma surpreendente Robin Swicord (baseado num livro de Karen Jay Fowler), muito mais conhecida como argumentista, já que assinou argumentos como “Mulherzinhas”, a versão de 1994, “Memórias de Uma Geisha” ou “O Estranho Caso de Benjamin Button”, do que realizadora, sendo esta a sua estreia na longa-metragem.

Durante o funeral de um dos cães de Jocelyn (uma espantosa Maria Bello), as suas amigas decidem que têm que fazer alguma coisa para ajudar esta criadora de cães a sair da depressão em que se encontra. Porém Sylvia (Amy Brenneman), uma das amigas, irá descobrir que a sua própria situação é muito mais delicada do que a da amiga tratadora de cães, ao saber pela boca do marido num jantar que ele mantém uma relação extra-conjugal, estando na disposição de a abandonar, porque necessita de viver uma nova vida, pedindo-lhe o inevitável divórcio ao fim de mais de vinte anos de vida em comum.
Estes acontecimentos irão fazer nascer ideias a este grupo de amigas, no sentido de fugirem da triste realidade que no momento as cerca, neste mundo contemporâneo em que vivemos.
Por outro lado, iremos assistir ao encontro decisivo para o nascimento do Clube de Leitura entre Bernardette (Kathy Baker), uma das amigas, com a professora de francês Prudie Drummond (fantástica Emily Blunt), num festival de cinema dedicado a Jane Austen (esta autora tem diversas obras suas adaptadas ao cinema: “Orgulho e Preconceito”, “Emma”, “Persuasão”, para além das adaptações que a BBC tem feito para o pequeno écran).

Neste encontro entre estas duas mulheres de gerações bem diferentes, Prudie (Emily Blunt) irá desabafar com Bernardette (Kathy Baker) sobre o facto de o marido ter desistido de uma viagem a França para ir ver as finais de basquetebol, deixando para trás aquela que seria a viagem de uma vida para a jovem professora de francês, que não conhece o país cuja língua ensina nas aulas. E como palavra puxa palavra e a simpatia de Prudie é cativante, Bernardette acaba por convidá-la a juntar-se ao Clube de Leitura (tão em voga nos  dias de hoje), sendo o autor a analisar, inevitavelmente, Jane Austen.
Jane Austen publicou seis livros durante a sua vida (recorde-se que morreu em 1817, com apenas 41 anos), seis serão assim as reuniões a efectuar, durante seis meses, ou seja um mês para cada livro. Falta-lhes no entanto um sexto elemento que será encontrado por Jocelyn (Maria Bello) quando, num hotel onde decorre uma convenção sobre o melhor amigo do homem, ela conhece um jovem extremamente simpático chamado Grigg Harris (Hugh Dancy), que não está ali propriamente para a convenção dos caninos, mas sim para uma outra em que o tema é a ficção-cientifíca, género literário que ele devora desde criança. As razões de Jocelyn (Maria Bello) para o convidar prendem-se com a vontade de oferecer à amiga Sylvia uma companhia masculina, para ela esquecer o divórcio.

No primeiro encontro, realizado num dos muitos Starbucks da cidade, vamos encontrar as cinco mulheres reunidas, a comentar que falta um sexto elemento para formarem o tão ambicionado Clube de Leitura Jane Austen, até que surge Grigg e Jocelyn é obrigada a confessar que foi ela que o convidou para participar nos encontros.

É claro que este jovem, apaixonado por ficção-científica, nunca tinha lido na vida um livro de Jane Austen, tendo comprado uma daquelas edições que reúnem a obra completa da escritora, pensando que as diversas obras fossem sequelas.

A “modernidade” de Allegra (a filha de Sylvia) também choca Prudie, a conservadora professora de francês, que acabará por confessar a todas que foi criada numa comuna na Califórnia, por uma mãe hippie, que parou nos sixties e que iremos conhecer mais tarde, numa espantosa caracterização de Lynn Redgrave que nos enche o écran com seu talento maravilhoso e ofusca quem com ela o compartilha.

Cada um dos elementos do Clube de Leitura fica com um livro pelo qual é responsável, sendo “Emma” o primeiro a ser estudado. A reunião é em casa de Jocelyn (Maria Bello) e durante a discussão, mais uma vez, Allegra e Prudie entram em confronto de ideias. Já Grigg, um verdadeiro Robinson Crusoe naquele grupo de mulheres, não percebe a razão porque querem que ele se aproxime de Sylvia, já que ele, melhor do que elas, percebe de imediato que Sylvia continua apaixonada pelo marido, acabando por julgar que o motivo se prende com Allegra, que afinal é lésbica, para seu grande espanto.

Março chega com o estudo de “Mansfield Park”, em casa de Sylvia e ficamos a saber o porquê de adorar Fanny Price, uma das personagens do livro. E aqui temos um dos momentos mais engraçados da película de Robin Swicord, quando Grigg, que até leva uns apontamentos, compara a relação das duas personagens do romance com Luke e a Princesa Leia, no “Império Contra-Ataca” / “Empire Strikes Back”, da famosa saga de George Lucas.

“Northanger Abbey”, o primeiro livro escrito por Jane Austen, mas o último a ser publicado, é objecto de estudo em casa de Grigg, que sendo um verdadeiro “geek”, recria o ambiente gótico nele implícito, chegando a ler “Os Mistérios de Udolfo” de que se fala no livro, para grande espanto das senhoras que se consideravam maiores fãs do que ele.
O mês de Maio será dedicado ao estudo do mais famoso romance de Jane Austen, “Orgulho e Preconceito” e aqui iremos conhecer melhor a relação de Prudie com o marido e as inevitáveis dificuldades por que passa o seu casamento.
Já “Sensibilidade e Bom Senso” irá levar, nesse mês de Junho, o grupo de leitura até ao hospital onde se encontra a jovem Allegra, que como boa amante dos desportos radicais, sofre uma queda aparatosa enquanto treina escalada. E como não podia deixar de ser, o seu pai irá estar presente, sendo notório o amor que ainda existe entre Daniel e Sylvia.
Julho marca o estudo de “Persuasão”, sendo a responsável do encontro a jovem professora de francês, que decide aceitar a sugestão de Bernardette para fazerem a reunião na praia, já que no livro de Jane Austen grande parte da trama se desenrola numa ida a Lyme, à praia. E aqui, neste derradeiro encontro, irão estar presentes novos participantes, para grande surpresa de muitos, ao mesmo tempo que iremos descobrir como os romances de Jane Austen permanecem profundamente actuais, porque a maré do amor permanece em alta, apesar das marés baixas que se sucedem com frequência.
O livro de Karen Jay Fowler, no qual se baseia o filme, cativa-nos da primeira à última página e a película de Robin Swicord segue-lhe as pisadas, revelando-se numa agradável surpresa. E quando recordamos as interpretações de todo o elenco, percebemos que ele é dirigido por quem sabe da matéria, sendo inevitável destacar Emily Blunt, na jovem professora de francês, ao mesmo tempo que percebemos que a própria realizadora é uma fã incondicional de Jane Austen. Curiosamente, num dos extras do DVD, Robin Swicord confessa-nos ter alterado uma das histórias do livro de Karen Jay Fowler (e não é sempre assim?), para ficar mais próxima de Jane Austen.

“O Clube de Leitura Jane Austen” é uma bela aventura cinematográfica que recomendamos porque, naquele grupo, iremos inevitavelmente descobrir pessoas que conhecemos no nosso dia-a-dia ou, quem sabe, encontrar o reflexo da nossa própria imagem no espelho da sala de leitura da famosa Jane Austen.

Notas:
Realizadora: Robin SWICORD / Origem: EUA / Ano: 2007 / Duração: 106 min
Actores: Maria Bello, Emily Blunt, Kathy Baker, Amy Brenneman, Maggie Grace, Jimmy Smits, Hugh Dancy

12 comentários:

  1. Um filme surpreendente que nos oferece um olhar bem original, divertido e comovente sobre a obra de Jane Austen.
    Bom domingo
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico sempre com vontade de reler qualquer um dos livros de Jane Austen!

      Eliminar
  2. Deve ser um filme bastante interessante sim. Não conheço, mas estou com imensa curiosidade!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a pena! Leve! (O livro também é muito engraçado) Beijoca

      Eliminar
  3. Clubes de leitura terminam por nos remeter a situações bem interessantes.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita do outro lado do Atlântico! Só conheço clubes de leitura de ouvir falar e de ver no filme. Em Portugal não há grande hábito, não se tornou moda.

      Eliminar
  4. Vi ontem pela primeira vez este filme, e gostei muito. É curioso perceber como pessoas tão diferentes funcionam tão bem em debate. :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora bem, mesmo a tempo! Eu liprimeiro o livro e depois o rapaz lá de casa ofereceu o DVD, muito antes de aparecer nos canais por cá. Vale mesmo a pena, sobretudo para dar a conhecer a grande autora que é Jane Austen! Obrigada pela visita! :-)

      Eliminar
  5. vi o filme e gostei. depois da estreia proliferaram clubes de leitura por aí. eu seria incapaz de participar num desses clubes, guardo demasiado as impressões que tiros dos livros e rumino demasiado sem partilhar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pensava que a moda dos clubes de leitura não tinha pegado cá! Também não me acho com vontade de participar numa "reunião" dessas. Gosto de livros, mas discuti-los com outrém? Ná!

      Eliminar
  6. Com a leitura ficamos sempre mais ricos *-*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade! Eu não dispenso um livro comigo, sempre! Obrigada pela visita!

      Eliminar