sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Jogos Olímpicos da Era Moderna

Embora desportista de sofá, desde sempre e por influência do meu pai (o desportista da família, que jogou hóquei em campo no Belenenses, para além de ser Juiz de Atletismo), os Jogos Olímpicos foram sendo acompanhados a cada quatro anos, de fio a pavio, lá por casa. E se falhávamos algumas provas, pelo menos as cerimónias de abertura e encerramento eram vistas com toda a atenção, especialmente os momentos em que os atletas, a bandeira e a tocha entravam no Estádio. Saliento que o desporto corre na família, já que o meu tio Ruy Maya participou nas Olimpíadas de Helsínquia, em 1952, nas provas de velocidade em atletismo.


Quem pode esquecer o maravilhoso que foi ver, de madrugada, o Carlos Lopes a correr a Maratona em Los Angeles, os últimos quilómetros sozinho, com todo um país a torcer por ele (lá por casa pelo menos três estavam: eu, o meu pai e a minha mãe, nos idos de 1984). O Recorde Olímpico de Carlos Lopes só foi batido em 2012.

O bonito que foi ver o urso Misha, a mascote dos Jogos Olímpicos de Moscovo e todo um Estádio a colaborar, com umas combinações em que, no encerramento, a imagem de Misha aparece na bancada com uma lágrima, de tristeza pela despedida. Los Angeles e as centenas de pianos a tocarem a uma só voz a "Raphsody in Blue" de George Gershwin. O acender da Tocha Olímpica por uma seta, a centenas de metros de distância, na abertura, salvo erro, de Barcelona.


A expectativa vai ser grande para a edição deste ano no Brasil. Esperemos que seja um sucesso!
Cá por casa, eu e o meu Cavaleiro Andante acompanharemos de fio a pavio e esperamos emocionar-nos com todo o espectáculo, como noutros anos. 
Todo este Movimento Olímpico se deve a Pierre de Coubertin.

Fotos retiradas da net

6 comentários:

  1. Que linda publicação! Eu não tenho essa tradição familiar, nem atletas olímpicos na família ;) mas fiquei logo com vontade de ver a sessão de abertura de hoje! Bom espectáculo e bons Jogos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! A não perder! Prometem a "nata" da música brasileira!

      Eliminar
  2. Os Jogos são sempre um dos mais belos acontecimentos desportivos do Planeta!
    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  3. Em 1988, estava eu no Algarve com umas amigas, e na discoteca, um écran gigante passava a maratona do JO de Seul.
    E Rosa Mota, em grande, a vencê-la.
    Foi uma noite única.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! São momentos inesquecíveis. Ontem, por exemplo, não percebi porque é que a Telma Monteiro ganhou, por não perceber nada de judo, mas ainda bem que ganhou!

      Eliminar