quarta-feira, 2 de novembro de 2016

"Poirot and Me" - David Suchet


Um dos primeiros livros que li este ano foi este "Poirot and Me", escrito pelo seu mais que brilhante interprete David Suchet.

A personagem de Hercule Poirot foi criada por uma das autora que me tem acompanhado ao longo da vida, Dame Agatha Christie. Tendo numa primeira fase lido, através da biblioteca do sítio onde morava e de umas férias em casa dos tios de Leiria, todos os livros publicados, ao longo dos anos fui adquirindo os seus livros, nomeadamente aqueles onde consta o meu detective de eleição, Hercule Poirot.

Os filmes que o ilustravam poucas vezes correspondiam à "realidade" escrita por Dame Agatha, nomeadamente os protagonizados pelo brilhante, mas nada meticuloso, Peter Ustinov (o melhor Nero de todos os tempos). O que esteve mais perto da "realidade", em filme, foi Albert Finney em "Crime no Expresso do Oriente", de Sidney Lumet, com um elenco de grandes estrelas como Sean Connery ou Ingrid Bergman.


Se bem que corra que Dame Agatha cedo se fartou do pequeno detective belga, "cabeça de ovo", a verdade é que o público não se cansou nunca dele e, eis se não quando, decidem fazer uma série com as "suas" histórias na televisão britânica.

As séries britânicas foram desde sempre, para mim, sinónimo de qualidade (e se para uma geração mais recente "Downton Abbey é o exemplo, eu posso citar, entre outras que vi: "Reviver o Passado em Brideshead", "I Claudius", "A Família Bellamy, etc, etc)

"Agatha Christie's Poirot" viu assim a luz do dia ainda nos anos 80 (1989) e acompanhou-nos durante cerca de 25 anos. "Poirot and Me" conta a história destes 25 anos do ponto de vista do seu actor principal, David Suchet.

Com a benção inicial (e continuada) da filha de Dame Agatha e do marido, os responsáveis pelo seu legado, David Suchet foi o escolhido para representar o Detective Belga por Brian Eastman, produtor de muitos dos episódios.


Acompanhamos a dedicação deste actor à sua personagem, bem como ao legado Agatha Christie e percebe-se bem como ele tentou (e conseguiu brilhantemente, na minha opinião) ser fiel, começando por se inteirar de todas as idiossincrasias da personagem, através dos livros escritos, bem como trabalhando a voz, a pronúncia e até o andar.

Percebe-se pelo testemunho por ele escrito o quanto Poirot acompanhou a vida de milhões de telespectadores, através da "caixa que mudou o mundo". Nos intervalos entre interpretações do pequeno belga, David Suchet dedicou-se ao teatro (sempre na incerteza de uma nova temporada na TV), chegando a ter espectadores na plateia que não percebiam nada do que estava a ser declamado, mas que se deslocavam entre países para assistirem ao "Poirot" em palco, mesmo que este estivesse a fazer de "James Tyrone" numa peça de Eugene O'Neill.

Por opção a última temporada, na qual se filmaram as histórias que faltavam ao detective belga, começa com a gravação de "Cai o Pano" / "Curtain-Poirot's Last Case"e percebe-se bem como foi difícil não só a David Suchet, como a todos os envolvidos nesta enorme produção filmar o desaparecimento de uma personagem tão querida. O último episódio a ser filmado "Dead Man's Folly" (Poirot e o Jogo Macabro) utilizou a casa de férias de Dame Agatha como cenário, tendo o neto de Agatha Christie, Mathew Prichard, feito o discurso de despedida.


Nota: David Suchet fez de inspector Japp ao lado de Peter "Poirot" Ustinov em "A Morte de Lord Edgware" ("Thirteen at Dinner"), filme onde entra também Faye Dunaway.

12 comentários:

  1. Ainda não o li, mas vou ler depois de ter visto este post! =)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! Vale mesmo a pena a leitura!

      Eliminar
  2. Uma justa homenagem, Paula!
    Tenho o livro e já o li.
    Quando era adolescente, lia os livros de AC pelas madrugadas dentro. E adoro esta série com o David Suchet, da qual tenho alguns DVD's. David Suchet, para mim, é o Hercule Poirot, por excelência. E já que falamos em séries, há actores e actrizes que não esqueço: a Joan Hickson, para mim, a Miss Marple por excelência e o Jeremy Brett, o melhor Sherlock Holmes de sempre.
    Ao ler o teu post, fiquei nostálgica. Gosto imenso do "Upstairs, Downstairs" e do "Reviver o Passado em Brideshead", tendo já revisto o primeiro várias vezes. Tb gostei da retoma que fizeram em 2010 e tive pena que não lhe dessem continuidade (achei bem mais interessante que o "Downton Abbey", mas este teve audiências maiores).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! É tão interessante o livro, não é verdade? Vi as séries de que falas (e eu falo) e tantas outras. Qualidade é difícil de atingir hoje em dia. Parece-me que cada vez há mais meios, mas faltam ideias.
      O Jeremy Brett é, sem bombra de dúvida O Sherlock, embora saiba que o que faz agora é bom actor, mas um Sherlock de telemóvel na mão? Nah, não é convincente. Tenho pena que cada vez mais nos balizemos por baixo, em vez de se exigir excelência. Encolhe-se os ombros e anda-se para a frente!
      Conheces a "Candice Renoir"? As séries francesas costumam ser boas e esta é excelente.

      Eliminar
    2. Sherlock Holmes de telemóvel na mão?! Estás a brincar...Quer dizer, sei que não estás. Ai que triste!
      Não conheço a "Candice Renoir". Irei pesquisar. Grata pela sugestão. :-)
      Boa noite!

      Eliminar
    3. Verdade, verdadinha, nesta nova série com o Benedict Cumberbach. O rapaz até é bom actor, mas Sherlock é Jeremy Brett!

      Eliminar
  3. Um livro magnifico escrito por um grande actor que nos fala da personagem que criou e com quem viveu ao longo de décadas, simplesmente genial! Um livro idêntico à inesquecível interpretação de Monsieur David Hercule Suchet Poirot!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! Verdade no que dizes! ;-)

      Eliminar
  4. Gosto muito da Agatha Christie, do Poirot, deste actor e desta série. E achei imensa piada ao detalhe que colocou no fim - nunca reparei e agora tenho de rever esse filme! Boa tarde!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! Nós adoramos rever todos os filmes do Poirot, até aqueles com o Peter Ustinov! Bom dia!

      Eliminar
  5. Gostei bastante da série. E concordo, David Suchet é um Poirot que não esquece.

    ResponderEliminar