quarta-feira, 19 de abril de 2017

"A Engomadeira" - Almada Negreiros

A Engomadeira - Almada Negreiros
Durante anos ouvi a minha mãe contar o quanto era difícil engomar com ferro de carvão. Esta conversa aparecia por vezes quando eu me queixava por ter de passar a ferro, mas já com um ferro moderno, ligado à electricidade. Achei, quando vi este quadro na exposição do Almada Negreiros na Gulbenkian, que ele conseguiu captar na perfeição essa dificuldade de que sempre ouvi falar.

Mas a outra curiosidade foi, mesmo ao lado do quadro, estar a história de uma engomadeira da autoria de José de Almada Negreiros.:


Será que no livro alguém se queixa? 😊


12 comentários:

  1. Nunca usei um ferro a carvao, mas lembro-se que em miuda tinhamos um empregado (sim eram eles que trabalhavam em casa e elas nas terras) em Africa que passava a roupa com ferro a carvao. Nao me lembro se nao havia ferro electrico na altura!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! Provavelmente não havia capacidade eléctrica suficiente para usar o ferro eléctrico, digo eu! Bom fim de semana!

      Eliminar
  2. Eu creio que era um tema recorrente no princípio do século XX e finais do XIX. Costureiras,engomadeiras entram muito nos contos de Fialho de Almeida e creio que Malheiro Dias também as refere.
    Também ainda assisti às "manobras" dos ferros a carvão...
    Um bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! Momentos pesados do quotidiano têm que fazer parte da literatura também! Eu só ouvi falar e ainda tive um ferro na mão, já ferrugento. O peso fez-me calar nas minhas "míseras" queixas! Bom fim semana!

      Eliminar
  3. Devia ser mesmo complicado. Nunca o fiz, mas tenho em casa uma relíquia, super pesada e que se aquecia nas brasas...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! Pela relíquia que tem pode apreciar como as nossas mães, ou avós no seu caso não tinham a vida nada facilitada!

      Eliminar
  4. O quadro de Almada Negreiros é fabuloso!
    Bom dia!

    ResponderEliminar
  5. Ainda não me consegui organizar para ver a exposição, mas tenho de o fazer. Boa tarde!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! Só conseguimos à segunda tentativa, a um domingo (grátis) pela hora de almoço e estava melhor do que da primeira vez que tentámos! Vale mesmo a pena!

      Eliminar
  6. Passei com um ferro desses até aos 21 anos, altura em que casei.
    Na casa materna (um barracão de madeira junto ao rio), não havia gaz, eletricidade, ou água canalizada. O fogão, era uns tijolos sobre uma base de cimento, com uma grelha de ferro em cima, para segurar as panelas. Funcionava a lenha, e o carvão era aproveitado para o ferro de engomar. A luz era a petróleo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita! E pela sua história de vida! Muitos de nós não apreciamos hoje em dia o quanto temos! A memória geral é curta e fazemos questão de esquecer todos os momentos considerados difíceis! Bom fim de semana

      Eliminar