sábado, 31 de dezembro de 2016

Viagem para o futuro - Bom Ano Novo


Boa Passagem de Ano a todos os que passam por aqui!
(Será que o erro passa despercebido, ou vou mesmo numa viagem para o futuro?)

Esquema retirado do livro "520 Christmas Cross-Stitch Designs", ao qual recorro sempre que me falham as ideias ou as revistas.

"Real in Rio"
Uma forma diferente de entrar no Ano Novo!

Foto: PNLima

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

A caminho do Ano Novo... Calendário do Advento


Para terminar o Ano Velho fica um calendário do Advento, embora essa época já tenha passado. Em vez das tradicionais surpresas doces, em cada dia foi colocado um pedaço de sabedoria de ilustres nacionais e internacionais.

O esquema foi retirado de uma revista brasileira, velhinha, velhinha, sendo muito fácil de executar. Para moldura optámos por uma daquelas telas para pintar e colocámos o esquema em cima.

Sei que este ano foi novamente utilizado, com os mesmos pedaços de sabedoria!

Foto: PNLima

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

A caminho do Novo Ano...

E a propósito deste post chamado "Luz", publicado no blog "Memórias e Imagens" da Margarida Elias, lembrei-me de uma exposição que vimos, em 2014, no Centro Cultural de Cascais, do artista Christos TH. Bokoros em que a luz, pintada maioritariamente em madeira, tem um papel fundamental:





São muito mais as obras deste excelente artista e que ficaram para sempre guardadas na nossa memória!



Vale a pela a visita ao Centro Cultural de Cascais. Por vezes somos surpreendidos com Arte que não conhecemos, mas que vale a pena descobrir!

Imagens retiradas da Internet!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Prarie Schooler "Snowy Nights"

Prarie Schooler "Snowy Nights"

Outro dos Book's "Prarie Schooler" usados para enfeitar o nosso Natal é o nº 166, "Snowy Nights", tendo sido duas as opções para decoração: a montagem de cinco dos esquemas num suporte para pendurar algures pela casa e os restantes quatro são colocados na árvore de Natal. Todos eles têm feltro, uns em vermelho, outros em verde, ou não fossem estas as cores do Natal.

Que tal escutar "Let it Snow", por Dean Martin? (já sabe, clica no título e deleita-se)

Fotos e montagem PNLima

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Prarie Schooler - "Ghosts of Christmas Future"

No início do ano tinha, entre outros projectos, a vontade de fazer alguns dos meus "Prarie Schooler Santa's". Embora sejam vários os esquemas que tenho, dos quais já falei aqui, fiz três deles, como podem ver:


Porque não escutar Loretta Lyn em "Frosty the Snowman" que é, de certeza, amigo do Pai Natal!
(se no título clicar, a música vai escutar 😉)

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Porque o Natal também é dos amigos

Gosto, sempre gostei, de mandar cartões no Natal. E continuo a fazê-lo. Os que enviei este ano já chegaram concerteza ao destino (até nisso gosto de ser "pontual"). Mas ficam por aqui alguns "Ghosts of Christmas Past":



Como música para este post, fica "Os Carteiros" do album "Operários de Natal", que fez as minhas delícias em miúda e que, entretanto, se perdeu no tempo!

Fotos PNLima


domingo, 25 de dezembro de 2016

"We Wish You a Merry Christmas"



Cante com o meu Pai Natal (Prarie Schooler, esquema de 2014), esta bela melodia, na companhia de John Denvers e os Marretas (clique no título em cima)!

De nós, para quem passa por aqui, desejamo-vos um Excelente Natal!



sábado, 24 de dezembro de 2016

Boas Festas - Cavaleiro Andante - Feliz Natal

Capa com a imagem da história "Grandes Esperanças" por Charles Dickens - nº 470

Votos de Feliz Natal a todos os que passam por aqui!

Que tal ouvir Annie Lennox em "God Rest Ye Merry Gentlemen", neste dia especial?
(clique no título)

Foto PNLima

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Prarie Schooler - "Home for Christmas" "Merry Christmas to All"

"Merry Christmas to All"
Terceira parte do book 86 "Home for Christmas", este esquema é o "Merry Christmas to All"!

Na mesa, ficam assim:

Mais uma sugestão musical, desta vez em português, com o "Natal dos Simples" pelo Zeca Afonso!

Foto PNLima

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Prarie Schooler - "Home for Christmas" "At Christmas the heart goes Home"

"At Christmas the heart goes Home"
Segunda parte do book nº 86 "Home for Christmas", com a frase "At Christmas the Heart go Home". A minha opção de montagem, em vez de fazer quadros com as peças, foi colocá-las de forma a enfeitarem a mesa nos intervalos das refeições.

Mais uma sugestão musical, desta vez na voz de Bing Crosby "Do you hear what I hear" (já sabe que é só no título clicar, para a música escutar)!

Foto PNLima

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

E eis que o carteiro nos deixou este belo postal cá em casa...


Obrigado Ricardo!

Paula e Rui

Prarie Schooler - "Home for Christmas" "Seasons Greetings"


"Seasons Greetings"
Já várias vezes disse por aqui que uma das minhas "marcas" favoritas de ponto cruz é a companhia "Prarie Schooler". No que diz respeito à época Natalícia, são vários os esquemas que tenho e que já fiz, dos quais faz parte este "Seasons Greetings", do book nº 86 "Home for Christmas". Nos dias seguintes aparecerão os outros dois esquemas deste book.


Que tal um som Natalício com "I'll be home for Christmas", por Frank Sinatra? (clique no título e a magia acontece 😊)

Foto PNLima

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Uma Árvore de Natal diferente...


Quando me casei com o meu cavaleiro andante, não tinhamos decorações natalícias comuns. Sendo assim, pedi-lhe para escolher comigo um esquema que resultasse em quadro e que se tornasse uma representação do "nosso" Natal, nem dele, nem meu, simplesmente nosso.

E assim surgiu em 2005 esta "Árvore de Natal", a partir de um esquema de uma revista Labores del Hogar.

Para escutar, aconselho Mr. Old Blue Eyes, Frank Sinatra, com "The Christmas Song" (clique no título).

Foto PNLima

sábado, 17 de dezembro de 2016

"Merry Christmas"


Este quadro foi feito em 1994, para oferecer aos meus tios (para quem nunca era fácil escolher uma prenda) e desde essa altura tem estado pendurado na sala lá de casa, seja Natal ou não. É um dos meus trabalhos mais bonitos, quer pelas cores, quer pelos detalhes. O esquema é de uma "Labores del Hogar", 

Que tal um "Merry Christmas" musical? Clique aqui e ouça "Have Yourself a Merry Little Christmas", pelo fantástico Michael Bublé.

Foto PNLima

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Porque (até no Natal) o melhor do mundo são as crianças...

Eis umas botas para os mais pequenos. A base não foi feita por mim, mas lembrei-me de personalizá-las e acrescentar os nomes de cada um e um motivo natalício.


E nestes dias que passam, que tal escutar mais uma das músicas da quadra, desta vez pelo David Bowie e Mr. Bing Crosby? Cliquem aqui! (Little Drummer Boy / Peace on Earth)

Foto: PNLima

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Saco com Árvore de Natal


Este é um dos meus enfeites favoritos. Feito a partir de um esquema de uma revista em 2006, salvo erro uma "Artes e Ideias", faz parte dos Natais cá de casa.

Que tal ouvir uma música, depois de ter lido estas linhas? Clique no título para ouvir "Oh Tannenbaum" pelos "Três Tenores".

Foto PNLima

domingo, 11 de dezembro de 2016

Prarie Schooler - "Cramberry Christmas"


Com a Árvore de Natal e o Presépio já a alegrarem a nossa casa, compartilho aqui alguns dos trabalhos feitos para a nossa Árvore ficar ainda mais bonita, tendo estes motivos sido escolhidos pelo meu cavaleiro andante, numa das nossas idas a Paris, onde nunca faltou uma ida a uma das nossas lojas favoritas, a "Des Fils et Une Aiguille" (que actualmente passou para a vila de Janvry, o que impossibilita uma visita). O esquema é"Cramberry Christmas", dos meus designers favoritos "Prarie Schooler" (que fecharam as portas ao fim de 32 anos, "chuiff").

Do mesmo folheto fiz ainda:


E porque não ouvir "Rudolph the Red Nose Reindeer"? As vozes são de Ella Fitzgerald e Bing Crosby (clique no título).


Fotos e montagem PNLima

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Toalha de Natal



Desde que me dediquei novamente às artes do ponto cruz que tinha a ideia de fazer uma toalha de Natal.

Em 2013, parte do ano foi dedicado a esse trabalho. Cheguei assim ao Natal com um sonho cumprido, ou seja ter finalmente uma toalha de Natal feita por mim, para animar a mesa cá de casa.

Os esquemas foram retirados de revistas "Labores del Hogar", publicadas por cá com belos motivos para esta época festiva, no século passado.

Numa noite de Natal, que tal recordar "Pipes of Peace" de Paul Mccartney, que retrata uma quase desconhecida parte da história da Primeira Guerra Mundial, em que em ambos os lados das trincheiras fizeram tréguas por um dia para comemorarem em conjunto o Dia de Natal. Já sabe, clica no título para ouvir a canção!

Foto PNLima

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Naperon Natalício....


Este naperon, que enfeita a mesa cá de casa nos intervalos das refeições foi feito em colaboração entre mim e a minha mãe, nos idos de noventa do século passado. Mantém-se a velha tradição de se enfeitar a casa com o que nós consideramos de mais belo, nesta época festiva!

E porque não ouvir "Oh Little Town of Bethlehem" por Frank Sinatra? Já sabe que é só clicar (no título) para escutar!

Foto PNLima

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Boas Festas - Cavaleiro Andante - 1954

Capa de Fernando Bento - nº 156 - 25 de Dezembro

(Parabéns à nossa sobrinha-neta Leonor, que hoje faz anos)

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Presépio cá de casa...


Desde que me conheço como gente que este Presépio tem feito parte do nosso Natal. As peças que o compõem pertenceram ao meu pai, ao meu avô e, dizem, que até ao meu bisavô. A gruta foi feita pelo meu pai (bem como a estrela cadente) e acolhe os membros mais recentes deste conjunto. E quando digo mais recentes, eles têm pelo menos quarenta anos, já que eu devia ter uns dez quando foram comprados. Uma das Nossas Senhoras que fez parte deste Presépio tinha um manto castanho tão bonito que uma das manas, quando era pequenina, achou que ali estava um belo chocolate e decidiu trincar (só posso imaginar a cara, porque na altura eu devia estar no berço).


Agradeço à minha mãe o facto de mo ter "emprestado" e ao meu pai por ter tido a paciência de nos aturar todos os anos em que chegava a época Natalícia e nós começávamos a pedir para ele fazer o Presépio e a Árvore (resmungava, resmungava, mas ficava sempre satisfeito quando tudo estava pronto).
Por cá a tradição mantém-se e o dia 01 foi o escolhido para fazer o Presépio e Árvore de Natal.

Que tal escutar uma música de Natal do album que eu tinha em miúda? "Os Pequenos Cantores de Guanabara" (clique no nome do grupo) com "Feliz Natal".

Fotos PNLima

sábado, 3 de dezembro de 2016

"The Big Book of Christmas Mysteries"


Eis um livro que já está lá por casa há uns três Natais e todos anos têm sido lidas algumas das histórias natalícias de mistério nele contidas.

Até agora e sem qualquer dúvida, a preferida é "The Thieves Who Couldn't Help Sneezing" do Thomas Hardy (inclusivé levou-me a ler outros livros do autor, como o fabuloso "Far from the Madding Crowd " / "Longe da Multidão", das mais belas histórias de amor que conheço).

Vamos ver que surpresas nos revelam as próximas aventuras misteriosas!

Capa retirada da net

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Boas Festas - Cavaleiro Andante - 1952

Capa de Fernando Bento - nº 51 - 20 de Dezembro

Nas memórias que me têm acompanhado ao longo da vida, o Cavaleiro Andante faz parte. Não só porque aprendi muito a ler em miúda nas suas páginas, mas também porque me abriu os olhos para o que fantástico se fazia/faz na BD, no mundo. Todas as capas de Natal tinham um desenho especial, que sempre me encantou. Por estes dias as capas do Cavaleiro Andante de Natal vão também passar por aqui. Considerem-nas um "ghost of christmas past".

P.S.: Uma das melhores prendas que tive, já adulta, foi o completar da colecção do Cavaleiro Andante, à qual me faltava um ano inteiro e vários números soltos. Um dia 20, especial, o meu Cavaleiro Andante fez-me a surpresa, com um pacote de tudo aquilo que me faltava! Obrigada!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Renato Parolin - Árvore de Natal ("On the first day of christmas my true love gave to me"...)

"On the first day of christmas my true love gave to me"... Eis uma música que me acompanha desde sempre, nestes primeiros dias do mês de Dezembro e que podem ouvir na sua versão mais divertida aqui (Muppets e John Denver).

Por aqui, este mês, vão passar muitos "ghosts of christmas past" (nota pessoal: reler o livro "Um Conto de Natal" do Charles Dickens) e até um "ghost of the Christmas present", como o é esta Árvore de Natal feita a partir de um esquema do Renato Parolin, o mesmo autor das "Árvores", publicado aqui
"Celui qui vit d'amour vit d'éternité" - 2015

Como "ghost of the Christmas future", vão aparecer também os meus "Prarie Schooler Santa's", tendo da lista já feito quatro e não vou dizer "humbug" por não ter feito ainda os outros.

Foto: PNLima

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Don Mclean - "Starry Night"


Uma das mais belas homenagens em música ao meu pintor favorito, Vincent Van Gogh. Um destes dias ainda me lanço a bordar um dos seus quadros, caso encontre o esquema!

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

"Elle s'appelait Sarah" - Tatiana de Rosnay

Há temas das história do mundo, do passado séc XX, que me incomodam profundamente (como acredito que aconteça à maioria das pessoas). O período negro da 2ª Guerra Mundial e todo o movimento de extermínio de judeus, ciganos, homossexuais, feitos pelo regime nazi alemão é dos mais perturbantes, de tal forma que há filmes que não consegui ver na sua totalidade, como "O Pianista", de Roman Polanski, baseado em factos verídicos e tendo até o próprio cineasta vivido em criança no guetto de Varsóvia, de tão má memória.

Já há uns meses, a fazermos zapping, descobrimos o filme que tem por base o livro do título do post, "Elle s'Appelait Sarah", cuja edição portuguesa se intitula "A Chave de Sarah", embora o filme se chame "O seu nome era Sarah", com Kirstin Scott Thomas no elenco, de quem somos fãs e rapidamente ficámos colados ao ecrã; desta vez consegui resistir e ver o filme até ao fim. A história passa-se em dois tempos, 1942 e a actualidade.
O período de 1942 relata os factos verídicos ocorridos nesse ano em que foi montada uma operação de captura de todos os judeus existentes na grande Paris por parte das autoridades francesas a mando do Marechal Pétain, e com a posterior entrega dessas pessoas aos alemães, que os irão levar para campos de concentração. O período da actualidade trata da investigação feita por uma jornalista (Kirstin Scott Thomas, no filme), desse momento negro da história de França.

E se alguém duvida destes acontecimentos ainda, devia ler este e outros livros sobre o assunto ou ver alguns dos documentários que por vezes passam nos nossos canais, especialmente na "RTP 2".

"De 1942 a 1944, mais de 11.000 crianças foram deportadas de França pelos nazis com a participação activa do governo de Vichy e assassinados nos campos da morte por terem nascido judeus. Mais de 500 destas crianças viviam no 3éme (bairro de Paris). Muitos deles frequentaram as Escolas Elementares Filles et Garçons PD. de Beranger.
Não os esqueçamos nunca"
Descobri Tatiana de Rosnay num programa literário francês em que ela apresentava o seu livro "Manderley Forever", a biografia de Daphne du Maurier, uma das minhas escritoras favoritas, autora entre outros de "Rebecca" e "Pousada da Jamaica". 
Tatiana de Rosnay e  Mélusine Mayance (a intérprete da "Sarah" no filme)

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Melinda e Melinda / Melinda And Melinda


Já perdi o conto às vezes em que estive sentada com amigos à volta de uma mesa, na qual era contada uma história. Mais tarde ou mais cedo a mesma história voltava à baila mas já numa nova versão, talvez mais elaborada, com novos detalhes e, quem sabe, personagens. Todos nós já vivemos esta situação ao longo da vida, seja através de uma simples anedota ou através de situações bastante sérias e sabemos bem como, por vezes, diversas versões da mesma história podem ser algo simples ou algo de muito mais dramático, porque os que contam a história também têm uma versão diferente nesse território chamado "a verdade dos factos".

Ora é desta base que parte o filme de Woody Allen, "Melinda & Melinda", recorde-se que esta película ainda foi realizada em território americano, já que entretanto optou por viver em Inglaterra devido a esses acontecimentos da sua vida privada tão retratados pela imprensa, dando até origem a diversos livros, aliás recomenda-se vivamente a leitura de "The Unruly Life of Woody Allen" da Marion Meade... uma obra incontornável para os apreciadores do cineasta, mas também para todos os cinéfilos.


Não posso cair no exagero de o considerar o melhor filme que já fez (ainda há pouco tempo passou novamente, num canal de TV, o magnífico "Hannah and Her Sisters" / "Ana e Suas Irmãs", com um fabuloso Michael Caine, sem esquecer o seu tributo à cidade das Luzes em "Meia Noite em Paris"), mas está seguramente entre os melhores, com o bónus, como dirão alguns, de o senhor já não participar como actor.


Parte-se assim, então, de uma conversa entre quatro amigos numa mesa de café/restaurante, em que um escreve textos/peças dramáticas e o outro textos/peças de comédia (Wallace Shawn). Analisam os quatro a possibilidade de uma mesma história poder ser um drama ou uma comédia e assim começam as duas histórias de Melinda (interpretada quer numa quer na outra por Radha Mitchell).

Imaginem então um jantar, no qual se pretende impressionar um dos convidados, onde cai de "pára-quedas" uma visita inesperada, Melinda. A partir daí tudo se complica em relação ao motivo do jantar (já que o objectivo era conseguir-se um papel num filme - drama, ou o financiamento para um filme - comédia), mas sobretudo no que diz respeito à vida das diversas personagens quer da comédia quer do drama.
Estabelecem-se relações. Estas findam. A teia de amores, desamores e as tragédias da vida comum estão todas aqui muito bem retratadas, será a vida um drama ou uma comédia?


Com um elenco sem estrelas de destaque na altura (o filme é de 2004), mas onde se nota a importância de alguns dos intervenientes, nomeadamente Will Ferrell que nos surpreendeu pela contenção (conhecido sobretudo do programa de humor "Saturday Night Live"), que como Hobie (a sua personagem no filme), pode ser considerado um digno sucessor de Allen e suas personagens problemáticas.

Aprende-se, se é que já não aconteceu a muito boa gente ao longo da vida, que a frase "Estas coisas acontecem" pode ser usada tanto no feminino como no masculino.

Para aqueles que não viram este "Melinda e Melinda", recomendamos a sua visão, para os outros que conhecem o filme nunca é demais revê-lo porque nele está a arte do cineasta. Woody Allen, contra ventos e marés, continua a realizar um filme por ano e embora se possa achar que a qualidade dos filmes é oscilante, temos que lhe tirar o chapéu pelo esforço e perseverança.

Notas:
Realizador: Woody Allen / Origem: EUA / Ano: 2004 / Duração: 99 min
Actores: Radha Mitchell, Will Ferrell, Amanda Peet

domingo, 20 de novembro de 2016

Lembrança de Casamento - Paula e Rui


Aparentemente, segundo as "etiquetas", fazemos "Bodas de Seda ou Ónix".

Esquema feito para oferta aos convidados do nosso casamento, em conjunto com um belíssimo conto escrito pelo meu Cavaleiro Andante. Este esquema constava de um anexo a uma revista, ambos perdidos na espuma dos dias!

Gostamos ambos do: "E viveram felizes para sempre!"