quinta-feira, 10 de março de 2016

Space, The Final Frontier...**



O espaço exerceu sempre um enorme fascínio no homem. Não é à toa que “Um pequeno passo para o homem, um gigantesco passo para a humanidade”, palavras de Neil Armstrong, fazem parte da nossa memória e embora não tivesse idade para acompanhar a transmissão televisiva, hoje sei que milhões no Mundo inteiro o fizeram, uns acreditando realmente enquanto outros, muito cépticos, acharam que algures havia um enorme estúdio onde este “espectáculo” televisivo estava a ser produzido.
Poderíamos dizer que antes de verdadeiramente irmos à Lua o homem, no seu imaginário. já tinha estado no espaço muitas e muitas vezes. Que o digam todos os autores de ficção científica a começar em Jules Verne, bem como as séries de televisão como “Star Trek” e “MoonBase Alfa” / “Espaço 1999”, só para citar duas das minhas favoritas ou esse Mágico do Cinema chamada George Méliès e a sua “Viagem à Lua” e Stanley Kubrick na sua obra-prima “2001- Odisseia no Espaço”!!!

Quem é que nunca quis ser o Comandante Koenig, o Alan, a Helen ou transformar-se como só a Maya era capaz, no Espaço 1999?


Mas voltemos ao “Caminho das Estrelas” / “Star Trek”, claro!
Produzida ininterruptamente para televisão entre 1966 e 1969, a série nos Estados Unidos terminou devido às eternas sondagens de audiências, nas quais se reportava que o público em geral se estava a desinteressar. Não contavam que no resto do Mundo a série continuava a ter enorme sucesso e mesmo nos Estados Unidos era mantido vivo o interesse, devido a grupos de fãs que começaram a fazer convenções, fãs esses carinhosamente conhecidos por “Trekkies”.

10 anos depois da série terminar começou a falar-se na hipótese de uma reunião, sob a forma de filme. Este projecto foi entregue ao veterano Robert Wise que teve menos de um ano para preparar tudo, já que a ideia era o filme ser estreado em Dezembro, na época do Natal, ainda dentro dos tais dez anos comemorativos.
Parte-se então assim para uma história que começa efectivamente como uma reunião de toda a equipa da Enterprise antiga, estando esta a ser remodelada em órbita. Aparecem-nos os antigos elementos James Kirk, o comandante, Leonard McCoy, o médico (levado para bordo com alguma dificuldade dada a sua eterna desconfiança relativamente à forma de transporte utilizada), Mr Scott, o eterno chefe das máquinas (e quantas não foram as vezes que ouvimos o capitão Kirk dizer: “beam me up Scotty” e como não nos apetecia também experimentar…), Uhura (Nichele Nichols) a oficial de comunicações ou Mr. Sulu, um dos pilotos da nave.
É-lhes dada a conhecer a missão que terão que efectuar: detectar e possivelmente aniquilar um objecto no espaço que tem destruído algumas naves. Para essa missão serão ainda incluídos três novos participantes: a tenente Ília (Persis Kambatta), o Comandante Decker e um elemento do planeta Vulcano como oficial científico, dado o eterno Mr. Spock estar impedido de seguir em mais uma missão devido a uma cerimónia a que se decidiu submeter no seu planeta de origem. Uma falha nos feixes de transporte fazem com que o transporte deste elemento seja mal sucedido. A partida da órbita terrestre em missão é feita sem oficial científico, até ao momento em que, já em plena viagem, aparece o Mr. Spock para grande surpresa de todos. Um pequeno parêntesis para informar que nos extras do DVD se fica a saber que efectivamente Leonard Nimoy ou Mr. Spock, como quiserem, foi dos últimos a concordar com um regresso a este projecto por não querer ficar novamente preso ao mesmo personagem.
A viagem prossegue e encontram esse ser V’Ger, responsável pela destruição de naves, como já referi. A solução encontrada para tudo acabar bem passa pelo Mr. Spock e, sobretudo, pela Tenente Ília que decide “entregar-se” a este ser superior para acabar com a destruição.

Esta reunião, em filme, deu origem a novos filmes, bem como a outras séries, como “Next Generation” e “Deep Space Nine” onde pontuaram alguns actores nossos bem conhecidos como a Whoopi “Jumping Jack Flash” Goldberg ou Patrick “X-Men” Stewart.


A ver ou rever quer seja ou não fã de ficção científica. Por aqui mora o “Director’s Cut”, já que as pressas, em 1979, obrigaram Robert Wise a fazer algumas alterações. Aconselhamos ainda uma vista de olhos pelos extras que na grande maioria dos DVD’s são, sempre, imperdíveis.

Notas:
Realizador: Robert Wise / Origem: EUA / Ano: 1979 / Duração132 min (136 min o Director’s Cut)
Actores: Leonard Nimoy, William Shatner, Deforest Kelly, Nichelle Nichols, James Dooham, Goerge Takei, Walter Koenig, Persis Khamnatta, Stephen Collins.

8 comentários:

  1. Magnifico post sobre uma das séries mais cativantes da televisão, que tem feito e continua a fazer inúmeros fans em todo o planeta Terra.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só queria poder ser teletransportada uma vez!

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Obrigada pela visita! Esta é uma das séries/filmes que faz as minhas delícias!

      Eliminar
  3. Por acaso nunca fui um apaixonado por esses filmes e séries!
    Mas admiro o potencial de ainda hoje ter inúmeros seguidores!
    Em relação à realidade...pode ser que um dia façam viagens low cost e todos tenhamos oportunidade de visitar a lua.
    Bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o que eu gostava que essa possível realidade estivesse perto! Obrigada pela visita. Bom fim de semana!

      Eliminar
  4. Nunca fui grande entusiasta de fc, mas o Star Trek e o Espaço 1999 fazem-me bem à memória :)

    ResponderEliminar
  5. Obrigada pela visita! Eu só queria mesmo ouvir algum dia um : beam me up! :-)

    ResponderEliminar