terça-feira, 31 de maio de 2016

"Musiques en Fête 2015"



A música sempre foi uma grande companheira, na minha vida. Acho aliás que há por aí sempre uma música para todos os momentos da minha, sejam eles bons ou menos bons.

Um destes fins de semana, em que uma constipação me impediu de passear, para aligeirar o facto de estar num escritório toda a semana num sítio deserto sem nada à volta, mais uma vez foi a música uma das minhas companheiras, graças ao "Musiques en Fête" que passou no canal 2. Na sua 5ª edição, esta produção da France 3 trás, num espectáculo ao vivo (aqui a versão gravada), directamente do "Théâtre Antique d'Orange" na Vaucluse, em França, árias de ópera (90%) e clássicos da música francesa (5%) numa combinação perfeita (na minha opinião) para quem aprecia este género de música. Fica a interpretação do "Mon Dieu" da Edith Piaf, por Christophe Willem, a abrir, bem como a ária do "Barbeiro de Sevilha" de Rossini, por Floria Sempey.


Espero que a edição de 2016 passe em breve num dos nossos canais!

P.S. Grande surpresa ao descobrir uma soprano portuguesa, Raquel Camarinha, entre os participantes, de acordo com o apresentador, pela 3ª vez!

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Navegar, navegar...

São diversos os rios por onde já passámos, mas o Tejo continua a ser aquele onde voltamos sempre, uma e outra vez...





Fotos PNLima

sábado, 28 de maio de 2016

Quadro Casamento - Ana Teresa e João Paulo (parabéns!)**


Maio é, pelos vistos para muitos, o mês dos casamentos. Este mês passam por aqui alguns dos quadros que fiz para casamentos a que fui. São raras as vezes que repito esquemas, já o disse por aqui (talvez porque da primeira seja um desafio, nas seguintes já descobri tudo o que havia para descobrir). No entanto este esquema foi feito numa primeira vez em 1998 (para o casamento de um colega de trabalho da altura, a 13 de Junho) e repetido em 2011, para os primos da Covilhã, Ana e João. Uma forma personalizada de se celebrar um dia tão especial!
O esquema foi retirado de um encarte especial de uma Labores del Hogar, algures dos anos 90 do século passado.

A outra versão:

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Crosby, Stills e Nash "Blackbird"




Esta é uma das minhas canções favoritas (dos Beatles), qualquer que seja a interpretação.
Gostava de ter conseguido colocar aqui a interpretação feita pela Joan Baez e o David Crosby no espectáculo de aniversário dela (75 gloriosos anos), que o canal Arte passou recentemente.

terça-feira, 24 de maio de 2016

Quadro de Casamento - Filipa e João (parabéns!)**

Kit de Ponto Cruz de Janlynn "Live Simply, Love Truly, Laugh Freely"
Feito em 2014 para a Filipa e o João, para celebrar o seu dia. Fiz uma pequena alteração ao original, que devia ter um jarrão ao meio, de onde parte todo o desenho. A alteração foi considerada para que os nomes e a data ficassem em harmonia (do meu ponto de vista, claro) com o resto do esquema. 


"Pão e Poesia" - Simone (Filipa, esta é para si)

 (Composição de Moraes Moreira e Fausto Nilo)

sábado, 21 de maio de 2016

O primeiro trabalho que bordei não era ponto cruz!**

Um dia destes, a procurar uns trabalhos que me faltava fotografar para colocar no blog, dei com o que me restou do primeiro trabalho que bordei. Sei que aos guardanapos encontrados (4), haveria a acrescentar uma toalha de chá, perdida na espuma do tempo.


quinta-feira, 19 de maio de 2016

Christopher Cross "Sailing" e um saco...**



Saco para a praia, com esquema feito a partir da revista "Cross Stitcher nº 291" que um amigo me trouxe de um dos aeroportos do mundo, numa das suas viagens. Desde sempre os flamingos cor-de-rosa são uma das minhas paixões (lembro uma das cenas magníficas do genial "África Minha" em que se vê uma "nuvem" de flamingos). Não só os bordei, como toda a montagem do saco foi feita por mim, sem recurso a máquina de costura (não sei coser à máquina).

terça-feira, 17 de maio de 2016

Cartão para Prenda (Prarie Schooler)**


Os meus esquemas favoritos são "Prarie Schooler", que ao fim de 32 anos de trabalho nesta área decidiram reformar-se. Este é um dos exemplos de como os esquemas por eles feitos são bonitos.
Foi a forma de personalizar uma prenda e acho que quem recebeu até gostou mais do cartão que da prenda!

segunda-feira, 16 de maio de 2016

sábado, 14 de maio de 2016

Giverny, o paraíso de Monet**



Monet é um dos pintores que mais gosto. A sala na Orangerie com as suas célebres pinturas, que ocupam as paredes, é qualquer coisa de tirar a respiração. Recentemente, num passeio lá fora, encontrei um kit que me permitiu "recriar" um dos seus quadros, dedicado à ponte japonesa existente nos jardins da sua casa em Giverny (a visitar um dia).


 L'Orangerie

Como aperitivo, quer para mim quer para para quem por aqui passa, deixo o trailer do "Meia-Noite em Paris" do Woody Allen, uma das mais belas homenagem à cidade:


sexta-feira, 13 de maio de 2016

Rita Lee "Reza"**


Dos meus tempos de liceu, é impossível não me lembrar do sucesso da Rita Lee e do seu "Lança Perfume". Anos depois e graças a uma amiga jornalista, tive a oportunidade de a ver ao vivo no Coliseu de Lisboa, tendo este concerto ficado para sempre na minha memória não só pela sua qualidade, mas pela animação que um público brasileiro traz a um evento deste género. Estávamos no famoso "pontapé nas costas" do velhinho Coliseu (pré-obras) e dançou-se, berrou-se, uma festa!
Fica "Reza", descoberta em tempos mais recentes!

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Julie & Julia - o filme (ou o que se faz num blog)**


Meryl Streep, no que me diz respeito, é a maior actriz americana viva e em “Julie & Julia” não deixa os seus créditos por mãos alheias, compondo uma personagem que nos leva às lágrimas, tal é o seu investimento nesta comédia, onde nos oferece o seu talento, jogando nessa área do sotaque que tanto gosta.



Julia Child (Meryl Streep) é esposa de um diplomata americano, Paul Child (Stanley Tucci). Neste relacionamento o amor é sublime, apesar de se terem casado já bastante tarde, ambos a navegar nos quarenta, sendo ela solteira e ele viúvo e, como não podia deixar de ser, Nora Ephron mostra-nos de forma soberba a intimidade/cumplicidade deste casal ao longo dos anos, especialmente a época em que ambos, por motivos profissionais, viveram em Paris.



Será precisamente na cidade das luzes que Julia Child irá despertar para a arte de bem cozinhar, depois de ter descoberto a maravilhosa cozinha francesa. Sendo ela uma dona de casa um pouco desocupada, decide inscrever-se numa escola de culinária profissional, onde vive a famosa “haute cuisine”, em que todos os elementos são homens, assistindo o espectador a umas aulas onde ela irá competir de forma soberba e excitante com os seus colegas, sendo memorável essa “arte de cortar cebola”. Iremos assim assistir à maravilhosa aventura de Julia Child no território da culinária e à sua luta para escrever um livro sobre a matéria, um percurso que se irá revelar difícil, mas por fim vitorioso, terminando a esposa do diplomata por conseguir ter um programa de culinária, repleto de humor, na televisão, que fará dela uma celebridade no meio.



Julie Powell é uma jovem que tem um trabalho temporário, num pequeno cubículo de um enorme escritório, atendendo reclamações relativas ao desastre do 11 de Setembro e que acaba sempre por se envolver nas dificuldades e tragédias de quem lhe telefona, ao contrário do pretendido pela direcção da empresa. Mas a sua vida irá ainda piorar quando, com o marido, decidem mudar-se para Queens, para viver por cima de uma pizzaria, numa casa velha e pequena onde o espaço oferecido não vai de encontro com os seus sonhos, até chegar esse dia em que irá redescobrir a famosa Julia Child. Decide então iniciar um blog e lançar um desafio a si mesma: fazer 524 receitas em 365 dias, ao mesmo tempo que mantém no blog uma espécie de diário onde vai contando a sua luta culinária.


Rapidamente esse desafio ultrapassa os limites impostos, transformando-se num verdadeiro diário de Julie Powell. A partir deste blog irá surgir o livro de relato destas experiências culinárias onde aparecem, em algumas páginas, citações quer de Julia Child quer de cartas escritas por ela e também pelo seu marido Paul.

Se por um lado iremos conhecer a vida do casal Child, repleta de amor e ternura, por outro iremos acompanhar a luta de Julie Powell para levar avante o seu projecto, muitas vezes com diversos dissabores: problemas económicos e o desespero do companheiro com os gastos da mulher no projecto, a luta com lagostas vivas, boeuf bourguignon esturricado.



Nora Ephron, que se tem revelado uma cineasta de mulheres, consegue mais uma vez oferecer-nos o retrato perfeito da difícil arte de amar, construindo uma película agradável de ver sendo, mais uma vez, o seu trunfo a excelente direcção de actores e o brilhante argumento.

“Julia e Julie” oferece-nos o talento de Meryl Streep, muito bem acompanhada pelo experiente Stanley Tucci e pela novata Amy Adams. Nas palavras da própria Julia Child: Bon Appetit!

Notas:
Realizadora: Nora Ephron / Origem: EUA / Ano: 2009 / Duração: 123 min
Actores: Meryl Streep, Amy Adams, Stanley Tucci, Chris Messina

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Uma porta...**

Ao ver o post "Portas do Mundo, por um Português", no blog Palavras do Abismo, no qual a autora fala de André Vicente Gonçalves que fotografa brilhantemente portas e janelas pelo mundo, lembrei-me desta porta que fiz, nos idos de noventa, do século passado.


Feita a partir de um esquema da revista (salvo erro) Artes e Ideias, na côr favorita de quem a recebeu.

terça-feira, 10 de maio de 2016

Será que...

quando o sol nos vier visitar de novo nos vai acontecer o mesmo?

(com a devida vénia ao genial Jim Davis e seu alter-ego Garfield)

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Sampler em Rosa**




Na parede lá de casa desde 2005, feito em dois tons de rosa, a partir de um esquema emprestado pela Xuxu.

sábado, 7 de maio de 2016

Cascais - Vale a pena visitar o Museu Condes Castro Guimarães**

Há muitos anos atrás, devia ter uns 10 anos, o meu pai decidiu levar a família a passear a Cascais. Foi assim que fiquei a conhecer o Museu Condes Castro Guimarães, ao qual aconselho a visita, tanto ao Museu, como ao Parque que se estende por detrás dele. Ficam algumas fotos para vos abrir o apetite, de um passeio mais recente:






P.S.: Fomos a pé da estação de Cascais, nessa época longíqua, até ao Guincho. O meu pai adorava passeios "higiénicos" que nós, miúdas, não apreciávamos assim tanto como isso. O objectivo principal dele, na altura, foi dar-nos a conhecer uma zona do Guincho, chamada Sete Oitavos, onde num concurso de pesca tinha caído ao mar, levado por uma onda, tendo ficado agarrado às rochas até que o fiscal do concurso reparou que ele faltava e foi "repescado". Chegado a casa e como era um brincalhão por natureza, teve que ser o colega a confirmar à minha mãe a história para acreditarmos (claro que as ligaduras nas pernas e os pensos nas mãos também ajudaram!)

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Absolutely Fabulous - The Movie!


"- Do you know what a paria is?
- Yes! It is a fish!"

Conversa entre Saffron (Julia Sawhala) e Edi (Jennifer Saunders), retirada do trailer do filme a estrear em breve em que as estrelas são as "Absolutamente Famosas" Edi e Patsy (Joanna Lumley).
Vale a pena conhecer este humor britânico, mesmo que nunca tenha visto a série que está na base do filme!

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Johnny Hallyday et Zaz '' Quelque chose de Tennessee ''


Canção escrita por Michel Berger para Johnny Hallyday. É uma homenagem ao dramaturgo Tennessee William autor, entre outras, da peça "Um Eléctrico Chamado Desejo".

terça-feira, 3 de maio de 2016

Paris ao entardecer...**


Esquema de Maria Diaz, que encontrei na revista Cross Stitch Gold (oferta do meu cavaleiro andante), "Sunset Over Paris". Permite-nos recordar os belos passeios dados na cidade das luzes.

domingo, 1 de maio de 2016

Palácio Nacional de Mafra - Os Livros**




Num dia de férias do ano passado decidimos visitar um dos Palácios que eu desejava conhecer há anos. E se chegar a Mafra foi fácil, passear na igreja e no palácio foi um prazer, tendo terminado o nosso caminho na entrada da biblioteca (só se tem acesso a esse espaço, enquanto turista visitante), em que se tem uma vista das prateleiras e livros de perder de vista, sair de Mafra já se afigurou mais difícil (a rede de transportes públicos tem horas em que pura e simplesmente não funciona. Estávamos a ver que tínhamos que dormir por lá!).

Aconselho a visita!