sexta-feira, 13 de julho de 2018

Uma loja que é um mimo!

Em Paris perco-me com o ponto cruz! E aqui, na Sajou, encontro tudo o que é preciso:

Miniatura da loja Sajou, em exposição!
Foto PNLima

quarta-feira, 11 de julho de 2018

segunda-feira, 9 de julho de 2018

quinta-feira, 21 de junho de 2018

terça-feira, 12 de junho de 2018

Quadro Árvore #1


Um pormenor retirado do esquema do Renato Parolin "Il bosco di bengtsson" de Renato Parolin" e que foi passear até ao Norte, para comemorar um aniversário de uma amiga reencontrada. A pedido foi feito a preto, em fundo branco.

quinta-feira, 7 de junho de 2018

domingo, 3 de junho de 2018

"Down Under" - Sami

"Down Under" ou Austrália, como é mais conhecido, sempre me fascinou, especialmente desde que vi "Uma cidade chamada Alice", já que o final da série se passa lá. Esse gosto aprimorou-se ainda mais ao ver a vida de Nina Proudman e da sua família na série "Offspring"! "Down Under" passou definitivamente a fazer parte da minha "bucket list", quem sabe um dia.... 

Descobri, já não sei como, o blog da Sami, uma portuguesa (agora também australiana 😊), que vive em Perth, e que entre outras coisas mostra magníficos murais em diversas partes do mundo incluindo Portugal, já que de vez em quando regressa a este jardim à beira mar plantado.

Um destes dias a Sami surpreendeu-nos (quando nós achamos que já ninguém nos surpreende) e nada como um ponto cruz (acho eu), para agradecer a sua gentileza:


As letras foram retiradas da revista "Cross Stitch Favourites" Spring 2018.

Para 2019 ficou agendado o encontro 😊 por cá!

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Porque hoje é o Dia da Criança!

E porque hoje é o dia da criança ficam aqui três fraldas de pano, de um conjunto de seis, com bordados personalizados, feitas recentemente para um "Afonso":



Esquemas retirados de revistas antigas e do livro "2001 Cross Stitch Designs".

Bom dia!

domingo, 20 de maio de 2018

"L'ordre du jour" de Eric Vuillard

"On ne tombe jamais deux fois dans le même abîme. Mais on tombe toujours de la même manière, dans un mėlange de ridicule et d'effroi."

Eric Vuillard, "L'ordre du jour"
150 pag., Ed. Actes Sud


sexta-feira, 18 de maio de 2018

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Umberto Eco "A Misteriosa Chama da Rainha Loana"


Se eu tinha dúvidas que cada um de nós é feito das memórias do que vive/viveu, este fabuloso livro do Umberto Eco, acabado de ler ontem, tirou-me algum resquício que pudesse subsistir.

Um livro que fala de outros livros, mas não só. O personagem principal é livreiro antiquário, que tem de reconstruir as suas memórias devido a um AVC e "a páginas tantas" envolveu-me de tal forma na sua história que me pôs a recordar a minha!

Umberto Eco revela-se para mim, mais uma vez, o magistral escritor que o considero!

Reencontrem as vossas memórias perdidas. Leiam este livro.

Paula Lima

P.S. As ilustrações que nele constam são belissimas!

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Quem sairá vencedor?

Em miúda, um dos acontecimentos televisivos do ano era, sem sombra de dúvida, o Festival Eurovisão da Canção, que teve o seu início em 1956. Durante muitos anos foi também uma forma dos artistas de diversos países serem conhecidos a nível europeu, tendo até saído do Festival dois êxitos mundiais: os inesquecíveis ABBA (1974) e a Celine Dion (1988, pela Suiça, primeira tentativa de carreira internacional, orquestrada pelo agente/marido René).

Tem havido de tudo nas "cantigas", da pop ao rock e até ópera.

Portugal já tentou todo o tipo de géneros musicais, até que o ano passado (para mim, inexplicávelmente) ganhámos com o "Amar pelos Dois", tendo até aí apenas conseguido como melhores lugares um 6º com a Lúcia Moniz (1996) e dois 7º, com Carlos Mendes (1972) e José Cid (1980). Nos meus favoritos nacionais estarão sempre "Oiçam" e "Madrugada". Nos internacionais "Waterloo" e "Aleluia". Não participámos lá fora em 1970, 2000, 2002, 2013 e 2016.

Se ao longo dos anos o interesse que desperta lá por casa diminuiu, o facto de no ano passado termos ganho, depois de uma eternidade de tentativas, voltou a espicaçar a nossa curiosidade. Vimos de fio a pavio a 1ª semi-final, gostando mais de uns, menos de outros, com algumas das nossas favoritas a passarem à final de sábado. Podemos referir que em termos de espectáculo, demos cartas, excepto no inglês de uma das apresentadoras. Hoje haverá a 2ª semi-final, que iremos acompanhar.

Ficam aqui, graças a um canal do "yutu" os vencedores de 1956 a 2017:


Os portugueses de 1964 a 2015:

domingo, 6 de maio de 2018

Feliz Dia da Mãe!

Foto PNL - No jardim Gulbenkian
Quando eu era miúda, o Dia da Mãe celebrava-se a 8 de Dezembro, dia dedicado a Nossa Senhora. Acho que leigos, laicos, ateus, cristãos e mais "ãos" que existem por cá nunca se incomodaram muito por homenagear a sua Mãe nesta data. Chegada a época da uniformização, as ovelhas têm que ser todas iguais, i.e. passa-se o Dia da Mãe para a data que o resto da Europa comunitária celebra, ou seja o 1º Domingo de Maio, seja ele 1, 2, 3 ou qualquer outro número que coexista nessa semana.

A minha mãe recebeu durante anos, em Dezembro, prendas artesanais porque a verba lá por casa era muito curta! Quando os tempos melhoraram, já com o Maio em mira, adicionava-se um cartão artesanal (que a partir de certa altura passou a ser em ponto cruz) a alguma coisa que precisasse ou tão simplesmente um qualquer conjunto de doces que a deixavam ainda mais sorridente.

Feliz Dia Mãe!
Um Feliz Dia para todas as mães que me lêem!

Paula Nunes Lima

terça-feira, 1 de maio de 2018

O 1º de Maio

O objectivo da luta do 1º de Maio
(imagem retirada da net)
A 29 de Abril de 1974, na capa de "A Capital", anunciava-se o feriado (e não só!)
Imagem obtida na exposição Pós-Pop, Fundação Gulbenkian

domingo, 29 de abril de 2018

Um marcador


Este foi um daqueles marcadores que me deu muito prazer fazer, não só pela beleza do esquema, como por saber que quem o ia receber o apreciaria devidamente, já que arte e livros fazem parte da sua vida.

Esquema retirado da revista "The World of Cross Stitching", nº 266, sendo o design de Joan Elliott.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Tinha sete anos no 25 de Abril....


É verdade, no 25 de Abril de 1974 tinha sete anos, estava na segunda classe e lembro-me de a minha irmã mais velha me ir buscar à escola, que ficava bem perto de casa, tendo ela dito à professora que ia buscar a Paula porque parecia haver uma revolução. E os aviões a passar por cima da escola, a fazer barulho.

Mais tarde apareceu o meu pai, que tinha atravessado normalmente a cidade, para o seu trabalho na Rua de Ponta Delgada (saia sempre bem cedo de casa). Estranhou os colegas não aparecerem, até que o patrão chega e o manda embora, porque "parecia haver uma revolução".

Os dias que se seguiram foram de muitas notícias na televisão e poucos desenhos animados, para tristeza dos mais pequenos. 44 anos depois, e embora se ouça muito por aí "no meu tempo é que era", continuo a gostar de viver em liberdade! (juventude que porventura me leia, aproveitem bem, porque nem vos passa pela cabeça "como era"!)

Salgueiro Maia (foto retirada da net)
E que orgulhosos estavam os meus pais, quando foram votar em liberdade pela primeira vez!

No primeiro aniversário do 25 de Abril, o meu pai pôs o gravador de pistas à janela, à meia noite, com a Grândola a tocar bem alto (versão magnífica do coro da Armada Soviética, gravada da televisão, registo do espectáculo dado no Coliseu)!

25 de Abril, sempre!

"Daqui, posto do comando das Forças Armadas..."



Às 23h50 de 24 de Abril de 1974, enquanto eu dormia, Paulo de Carvalho cantava na rádio "E Depois do Adeus". Mal sonhava eu como o dia seguinte iria ser tão diferente, sem desenhos animados, mas com a liberdade a sair à rua!

segunda-feira, 23 de abril de 2018

sexta-feira, 13 de abril de 2018

O Pedro....

Por estes dias (e desde segunda-feira, 9 de Abril) há uma canção do Sérgio Godinho que roda na minha cabeça, embora eu lhe mude os versos: No original são "porque hoje fiz um amigo, coisa mais preciosa do mundo não há" (Com um Brilhozinho nos Olhos). Os versos nestes dias, para mim, são: "porque perdi um amigo, das coisas piores do mundo que há!"

Tudo isto para falar do meu amigo Pedro Guerreiro, que fiquei a saber, no dia dos seu aniversário, ter partido (para um local melhor, esperamos todos que assim seja) do mundo terreno.

Durante anos da minha vida o périplo era feito entre Algés, onde morava e Linda-a-Velha onde estudava. Não me lembro quando começou, mas as aulas de manhã originavam tardes de lazer e depois dos deveres estudantis e filiais cumpridos, o destino invariável era a Tá-Mar ou o Caravela, sendo a primeira a nossa favorita. Longas as tardes de conversa em grupo, à volta de um café, em que um e outro se iam juntando ao grupo, chegando a ser 20 à volta de uma mesa, com uma única bica (Raro se consumia outra coisa, mas que os nossos olhos cobiçavam a montra dos bolos - com os Garibaldis à cabeça, não haja dúvida). Alguns protestos dos empregados, mas havia por lá um deles que tinha filhas no mesmo liceu e tentava apaziguar os colegas (para quem conheceu a Tá-Mar o nosso poiso era sempre na sala do meio, sendo a de um dos lados salão de chá, para os mais chiques e do outro lado a sala para os mais "radicais").
Támar - Foto retirada da página FB "A Gazeta de Miraflores"
Não consigo precisar a data em que o conheci, mas parece que esteve sempre lá, de uma geração mais velha, mas que adorava conversar com pessoas de qualquer nível etário. Com ele aprofundei descobertas de música clássica (filho do tenor Armando Guerreiro - e que orgulhoso estava por Linda-a-Velha ter dado o nome de uma rua ao seu pai) e aprendi que os actores não fazem papéis pequenos porque querem, mas também porque é necessário sustentar a família (a mãe, Maria Salomé Guerreiro, actriz, declamadora e encenadora, fazia por essa altura um papel pequeno na telenovela Vila Faia, a primeira feita em Portugal que arrastou multidões). Falava-se de tudo e de nada e mesa onde estivesse não faltava assunto. Gargalhámos com as frases do Millôr Fernandes, do livro que lia na altura ou das piadas do Juca Chaves e com ele descobri o Júlio Machado Vaz, que na altura fazia o programa "O Sexo dos Anjos" numa rádio local. A paciência que era precisa quando o vencedor da Fórmula Um não era o seu favorito 😊

Na Támar, com José Viana, que a pedido do Pedro, nos deu um autógrafo.

As opções profissionais levaram-no para o sul do país e até Espanha e durante quinze anos não nos cruzámos. As redes sociais, tão amaldiçoadas, permitem-nos reencontrar bons velhos amigos e assim foi, no final de 2017, descobrindo nós que estávamos muito mais perto do que pensávamos. O encontro para o tal café foi possível já em 2018 e que bom foi abraçar um velho amigo. Até o rapaz lá de casa, que até aí só tinha ouvido falar do Pedro, achou que tinha encontrado um amigo, já que a geração e gostos eram os mesmos.

No dia do seu aniversário soube que tinha partido há já uns largos dias e pela segunda vez em todos estes larguissimos anos falei com a mãe do Pedro, que me disse  não ter dúvidas de quanto o filho era querido por todos que durante tantos anos com ele conviveram. Fazes falta amigo!

quarta-feira, 11 de abril de 2018

De longe vieram prendas...


Por pura distracção, esqueci-me de publicar um belo "molho" de prendas que recebi no meu aniversário. A minha amiga S. decidiu obsequiar-me com algumas das coisas que mais gosto: revistas de ponto cruz (uma inglesa e uma holandesa) e marcadores para os livros.

Um dos marcadores é particularmente especial, já que marca uma data na História. Posso agora afirmar que sou detentora de um pedaço daquele Muro que, em Berlim, separava o mundo .


sábado, 7 de abril de 2018

Ainda a Páscoa...

São raras as vezes que, pelo "Postman Pat", chega correio aqui a casa. Foi com agradável surpresa que esta semana, ao abrir a caixa do correio, encontrámos dois postais da Páscoa. Obrigada Sandra e Margarida por tão agradáveis surpresas:

Da Sandra
Da Margarida

sexta-feira, 6 de abril de 2018

Às vezes sinto-me assim:

Com a devida vénia a Gerhard Haderer
que tão bem representa uma (terrível) nova realidade!

terça-feira, 3 de abril de 2018

Outro pinguim...



aqui tinha mostrado uma fralda com um pinguim, em azul, retirado da revista ""Borduurblad" nº 83. Eis a versão em vermelho!

sábado, 31 de março de 2018

Páscoa doce #4

A imaginação em chocolate
(embora com reflexo, são mesmo umas botas punk rock!)

sexta-feira, 30 de março de 2018

Páscoa doce #3

Em ano de Mundial, memória do Europeu 2016 (e que doce foi!)
ou como até o chocolate faz golo!

domingo, 25 de março de 2018

Não se esqueça...

Com a devida vénia a Charles Schulz e ao Snoopy

...que hoje muda a hora!

E é verdade que vai dormir menos uma!!!!

quarta-feira, 21 de março de 2018

As minhas árvores...

Dizem que hoje é o Dia da Árvore, mas que em Portugal não convém plantá-las agora, só lá para Novembro (info do um tal de minuto verde).

Eis as minhas (e não falo das que se vêm em fundo, do jardim de Algés 😊), fariam hoje 60 anos de casados (o mês de Março é, e sempre foi, cheio de comemorações familiares):

(para quem me conhece, eu sou a mais pequenita da foto 😉)

terça-feira, 20 de março de 2018

Chama-se Portugal, mas não tem portugueses....

Ontem à noite, a mudar com energia de canais na TV, descobrimos no VH1 um grupo chamado "Portugal. The Man". Olhámos um para o outro e dissémos: Portugal está mesmo na moda... fomos ouvindo o clip e decidi investigar: existem desde o início deste novo milénio, são americanos e não têm nem um português na formação.
Fica um dos clips ("Feel It"), como curiosidade:


Boa Primavera (dizem que chega hoje, às 16h15min)!

segunda-feira, 12 de março de 2018

E o vencedor é...


E o vencedor do sorteio do meu segundo aniversário de blog é, com a ajuda do "Random Generator", a Margarida Elias!

A lembrança vai ser enviada logo que esteja pronta (comecei hoje 😊!).

Obrigada a todos os que passaram por aqui e me deram os parabéns!

terça-feira, 6 de março de 2018

Vintage + 1 ...

Parabéns a mim!


Billy Joel & Guests - Piano Man


Com a devida vénia a Jim Davis e ao meu gato favorito!

sábado, 3 de março de 2018

E já se festejam dois... (And then there were two...)



Esta aventura começou a 03 de Março de 2016! (This adventure started on the 3rd of March 2016)

Se deixar um comentário neste post, até dia 11/03 e os deuses lhe sorrirem, pode ser o/a escolhido para receber uma pequena lembrança de ponto cruz, feita por mim e um livro a acompanhar!
(If you leave a comment on this post, until the 11th of March, maybe the gods will smile you and you'll get a little cross stitched something from me along with a book!)

Dia 12/03 será publicado o resultado do sorteio! (The result will be published here on the 12th of March)

Obrigada a todos os que têm passado por aqui! (Thanks to all that come through here!)

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Footloose - Kenny Loggins

Para ouvir bem alto!

E pode ir ler aqui o que os "Manuscritos da Galáxia" dizem sobre este filme.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

W.I.P. ...

"Un jour à Paris - Montmartre" - Les Brodeuses Parisiennes
Assim vai o trabalho em mãos, por estes dias!

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

"Heaven" - Lorraine

"Heaven" - Lorraine (original dos "The Psychedelic Furs")
Porque no Dia dos Namorados nos soube bem ver uma comédia!

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Bom S. Valentim!

Feito em 2016, a partir de um "freebie" tirado da net

Mordillo, um dos meus favoritos!

Juliette Greco

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Um urso...


Por muito moderna que seja a puericultura actual, uma fralda de pano deve fazer sempre parte do enxoval do bébé, nem que seja para o proteger do sol forte.

Eis um urso, para um Afonso, feito a partir de uma "Labores del Hogar - Extra". Este esquema faz parte de um quadro de abecedário, com diversos animais. O "A" foi adaptado, já que o urso segurava a letra "O", no original. As cores das linhas foram também escolha minha, dado o original ser feito com fio de lã.

Foto PNLima

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Um pinguim...


Uma fralda com um pinguim, em azul, retirado da revista ""Borduurblad" nº 83, feita a pedido!

Haverá em breve uma versão em vermelho!

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

"Here Comes the Sun" - Paul Simon, David Crosby e Graham Nash



"Here Comes the Sun": Um tributo a George Harrison (Paul Simon, David Crosby e Graham Nash) - Este foi "transformado" em indisponível.
Espero que gostem da substituição, com as vozes de George Harrison e Paul Simon

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

"Borduurblad" nº 83


Já por diversas vezes tinha estado a namorar esta revista no site do editor, depois de ver e ler sobre ela no blog La Comtesse & Le Point De Croix, que sigo, e onde a autora do blog tem esquemas publicados!
Graças à minha amiga S. (que simpaticamente ma enviou dos Países Baixos), tenho o nº 83. São vários os esquemas interessantes para fazer. O único senão é o estar em holandês, que não entendo. Tal não é impedimento para executar os pontos cruz que nela se encontram (e já tenho um escolhido para uma fralda), mas sim para ler os outros artigos que aparecem, sobre quem domina estas artes!

sábado, 20 de janeiro de 2018

Tony Bennett e K.D. Lang - "Blue Velvet"


Tony Bennett e K.D. Lang - Blue Velvet
(Duets II: The Great Performances)

Letra: Bernie Wayne / Música: Lee Morris

Dois dos meus favoritos, que posso ouvir sempre que me apeteça, graças ao rapaz cá de casa 😊!

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Colcha (feita para a Leonor, em 2004)


Lá por casa sempre gostámos de marcar os novos nascimentos na família. Assim foi em 2004,  para a minha sobrinha-neta Leonor, com esta colcha dividida em quadrados, para serem marcados qual "quilt", cheia de ursos, diferentes para cada quadrado, na maioria deles com um abecedário com ursos, sendo os seis quadrados/ursos centrais diferentes entre si, mas "meninos e meninas" de cor-de-rosa e azul. É mostrada inacabada porque a minha mãe não podia, nessa altura, costurar e o acabamento foi feito por outrém.

Foto PNLima